,
“Enfim te vejo! - enfim posso,
Curvado a teus pés, dizer-te,
Que não cessei de querer-te,
Pesar de quanto sofri.
Muito penei, cruas ânsias,
Dos teus olhos afastado,
houveram-me acabrunhado,
A não lembrar-me de ti!”

(Gonçalves Dias)
,

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Livro Corpo Fechado ~ Robson Pinheiro

Mandalas - Geometria Sagrada

Livro Medicina da Alma ~ Robson Pinheiro